Outras recomendações importantes sobre a diversificação alimentar

1.      Não utilize sal, açúcar e mel na alimentação do seu bebé. Os bebés já apreciam naturalmente o paladar doce e o salgado e devem aprender a apreciar os paladares naturais dos alimentos. A utilização de sal na alimentação do bebé tem sido associada à tensão alta na vida adulta e, por isso, recomenda-se que a sua introdução seja feita somente depois de 1 ano de vida. O açúcar favorece o excesso de peso e o aparecimento de cáries dentárias. O mel nesta fase pode causar uma doença grave chamada botulismo e só pode ser utilizado se passar por um tratamento especial, que é o caso do mel utilizado pela indústria como ingredientes de papas de cereais e boiões.

2.      Não ofereça sumos, chás ou bebidas adocicadas ao seu bebé. Os bebés já nascem com a preferência pelo paladar doce e esta preferência deve ser contrariada e não incentivada. Muitos bebés habituados desde cedo aos sumos de fruta, mesmo que naturais e sem açúcar, acabam por rejeitar a água e querer sempre sumo. A água deve ser a bebida de eleição para satisfazer a sede. A partir do momento que se inicia a diversificação alimentar deve começar a oferecer água para o seu bebé várias vezes ao dia. Aos 6 meses já deve começar a utilizar um copo de transição para este fim.

3.      Tenha muita atenção aos produtos processados à venda nos supermercados, como as papas e os boiões. Estes podem conter sal, açúcar, conservantes, corantes e outros ingredientes indesejáveis. Nestes produtos são também utilizados alguns substitutos do açúcar que têm efeito semelhante ao do açúcar. É o caso do sumo de uva ou de maçã concentrado e do mel, utilizados para adoçar boiões de fruta. Além disso, as quantidades presentes nos boiões ou recomendadas nas embalagens podem ser exageradas para o seu bebé.

Prefira, sempre que possível, as refeições preparadas em casa. Se o tempo para preparar as refeições for pouco, pode optar por hortícolas congelados ou já limpos e preparados. Pode também congelar diversas porções dos purés de legumes que preparar em casa.

Utilize os boiões somente em casos de necessidade, escolhendo os produtos com melhor composição. Saiba como com as nossas “Dicas para ir às compras”

4.      Se o seu bebé já está na creche ou aos cuidados de outra pessoa durante o dia, certifique-se de que as orientações para uma diversificação alimentar saudável estão a ser cumpridas. Procure fazer uma adaptação das ementas para que a alimentação do seu bebé não fique repetitiva e seja o mais saudável e variada possível.

5.      Ficam para depois de 1 ano de idade ou a critério médico:

  • clara do ovo (pode ser aconselhada a partir dos 11 meses e pode adiada para os 24 meses em caso de bebés alérgicos);
  • leite de vaca;
  • leguminosas, como feijões, lentilhas, soja, grão, favas e ervilhas (podem ser aconselhadas entre os 9 e os 11 meses);
  • espinafre, nabo,  nabiça, aipo tomate, beterraba e couve roxa.
  • amora, kiwi, maracujá  e morango;
  • mariscos,
  • carne de porco,
  • laticínios, como iogurtes e queijos (o iogurte e o queijo fresco ou o requeijão feitos com leite pasteurizado podem ser aconselhados a partir dos 9 meses).

6.      Os frutos secos, como nozes, amêndoas, amendoins, pinhões, cajus, avelãs e passas e as pipocas, só devem ser oferecidos às crianças a partir dos 4 anos de idade, pois podem ser aspirados ou provocar engasgamentos graves. Até esta idade os caramelos e rebuçados podem ser igualmente perigosos. 

Para evitar riscos, não deixe de consultar ainda as informações sobre os alimentos e as consistências adequadas para cada etapa da vida do bebé. 

Vídeo: