Quais os efeitos do fumo do tabaco durante a gravidez?

Através da placenta e do cordão umbilical, é a mãe que dá ao feto os nutrientes e elementos, como o oxigénio, essenciais ao seu crescimento e desenvolvimento. No caso de mães fumadoras, a placenta e o cordão umbilical não só alimentam a criança com as substâncias necessárias para a sua vida, como também levam ao bebé algumas substâncias tóxicas do fumo do tabaco, como o monóxido de carbono, a nicotina, o cianeto e algumas substâncias capazes de provocar cancros.

Como o organismo do bebé ainda não está bem desenvolvido, tem mais dificuldade em eliminar muitas dessas substâncias tóxicas. Por isso, a presença dessas substâncias tóxicas do tabaco pode ser mais elevada no organismo do bebé do que no da mãe.

Diversos estudos demonstram uma associação entre o fumo do tabaco durante a gravidez e consequências negativas para a saúde do bebé como:

  • Redução do peso do bebé ao nascer, o que aumenta o risco de adoecer
  • Descolamento da placenta
  • Aborto espontâneo
  • Parto prematuro
  • Morte súbita
  • Obesidade infantil

Estes são apenas alguns dos efeitos nocivos do fumo do tabaco reconhecidos para o período da gravidez. Muitos outros vêm sendo estudados. Um estudo realizado no Reino Unido, por exemplo, demonstrou que fumar durante a gravidez duplica o risco da criança contrair cancro e pode ter efeitos nocivos no crescimento futuro da criança, na sua inteligência e no comportamento até aos 16 anos de idade.

É muito triste saber que, só na Grã-Bretanha, o hábito de fumar das mães mata mais de 1000 bebés por ano. Embora estes não sejam dados Portugueses, o que esperar de Portugal onde cerca de 1 em cada 10 mulheres fuma?

Vídeo: